Opinião

Artur Neto é um tigre ao atacar professores, mas é um gato angorá no colo dos empresários do transporte coletivo

O prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB) pareceu um tigre ao chamar os professores da rede municipal de conspiradores. Manteve-se firme ao deixar no cargo seu herdeiro político Artur Bisneto, mesmo depois que ele chamou professores de “baderneiros”. Manteve debaixo de seu braço a secretária de educação, Katia Helena, mesmo depois de chamar os professores de “criminosos.

Já em relação aos empresários do transporte coletivo, Artur age como um gato angorá, encolhido e agasalhado em seu colo. Neste ano, a tarifa do transporte já mudou de valor duas vezes, sem para maior.

Para a população, sobram apenas promessas mentirosas como os 300 novos ônibus com condicionadores de ar e a instalação de internet wi-fi nos terminais. Os ônibus nunca chegaram a Manaus e a internet sem fio já virou piada entre os usuários do sistema.

Já para os rodoviários, nem mesmo promessas, só notícias ruins, a última dá conta de que a Prefeitura de Manaus estaria devendo R$ 17 milhões aos empresários que já recebem subsídios milionários, por isso o 13º salario da categoria está em risco. Mas o aumento da tarifa do transporte coletivo não era para resolver este e outros problemas? Fica mais uma pergunta que com certeza o prefeito não sabe e nem vai responder.

Cadê o dinheiro, Artur Neto?