Brasil

Greve de fome pró-Lula não deve surtir efeito no STF, diz Marco Aurélio

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello disse na tarde desta 4ª feira (8.ago.2018) não acreditar que a greve de fome de militantes pró-Lula vá de alguma forma pressionar a Corte.

“Supremo não fica sujeito a esse tipo de pressão, de forma alguma. Agora, é claro, é uma manifestação popular você tem que respeitar”, disse.

O ministro chegou a dizer que a greve de fome é “terceirizada”. Seis pessoas participam da manifestação pela libertação do ex-presidente desde o dia 31 de julho.

São eles: Jaime Pacífico, Zonália Santos, Rafaela Alves, Frei Sérgio Gorgen, Luiz Gonzaga Silva e Leonardo Nunes Soares, representantes de movimentos sociais como MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) e a Central dos Movimentos Populares do Brasil.

Na 3ª feira o grupo protocolou no Supremo pedido de audiência com cada 1 dos ministros. Marco Aurélio disse que o seu gabinete está sempre aberto e depende apenas de questões de agenda.

Os militantes querem que o STF marque o julgamento das ADCs (Ações Declaratórias de Constitucionalidade) 43 e 44. As ações tratam da execução penal após a condenação em 2ª Instância e são relatadas por Marco Aurélio.

“Eu acho que já deviam ter sido votadas para pacificar a matéria no âmbito do próprio Supremo”, disse o ministro sobre as ações. Segundo ele, a indefinição provoca descrédito.

Lula foi condenado em 2ª Instância a 12 anos e 1 mês de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção passiva na Lava Jato. Está preso desde o dia 7 de abril em Curitiba.