Brasil Mundo Opinião Segurança

Pesquisadores americanos apontam que ter arma em casa aumenta o número de mortes acidentais envolvendo crianças

Uma das propostas que marcaram a campanha do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) foi a ampliação do acesso a armas de fogo, e logo mais essa pauta será debatida no congresso nacional. Pesquisadores dos Estados Unidos apresentaram três novos estudos que apontam o real  risco para as crianças cujo os pais possuem armas de fogo. As pesquisas vão ser publicadas na semana que vem, durante a AAP (Conferência Anual da Academia Americana de Pediatria).
De acordo com a primeira pesquisa, os estados americanos onde o porte de arma é liberado, registra mais do que o dobro de mortes de crianças por armas de fogo do que estados onde o porte de arma de fogo é mais restrito. A segunda pesquisa aponta que grande parte das crianças tem entre 7 e 17 não sabem a diferença entre uma arma de brinquedo e de uma arma de verdade. E a última pesquisa mostra que, as chances da criança ser ferida acidentalmente é maior quando a criança é mais nova.

Segundo a professora especializada em cirurgia pediátrica da  Escola de Medicina da Universidade de Stanford, Stephanie Chao, “Ferimentos por armas de fogo são a segunda maior causa de morte de crianças nos EUA, mas descobrimos uma clara discrepância em onde essas mortes acontecem que corresponde à força da legislação sobre armas dos estados.  Nos estados com as leis mais lenientes, as crianças morrem a taxas assustadoramente maiores”.

A primeira pesquisa aponta dados importantes que informam quantas crianças morreram por arma de fogo nos Estados Unidos entre os anos de 2014 e 2015, que foi um total de 2.715 incidentes anuais, dos quais cerca de dois terços homicídios (involuntários ou não) e um terço suicídios (também involuntários ou não), e ainda fazem um paralelo entre os estados que tem o porte de arma liberado contra os estados que são mais rígidos.

Segundo um dos pesquisadores “A cada ano, mais crianças morrem por ferimentos de armas de fogo (nos EUA) do que de câncer e doenças do coração combinados”