Entretenimento

Tá na hora de falar sobre amor por aqui

Tá na hora de falar sobre amor por aqui, certo? Os assuntos nesse ponto são os mais diversos, então temos pauta para diversos posts, mas tem um em especial que tem aparecido bastante nos meus atendimentos e via direct também: a responsabilidade afetiva (ou a falta dela).

Por definição, ser responsável afetivamente é o comprometimento com os sentimentos do outro, e no caso de relações amorosas é não incentivar que o outro crie expectativas que você já sabe que não vai cumprir quando se trata desse contato.

Em outras palavras: é não sacanear com o outro, jogar limpo em relação ao que quer e não ser o (a) fdp que sempre deixa a porta entreaberta pra ter livre acesso com aquela pessoa que ele sabe que gosta dele(a). Se é só uma transa, então não invente de prometer romance!

Se só quer comer ou só quer dar, então não prometa dormir de conchinha!

Se não vai passar de um quarto de motel, então não diga que ama!

Ser irresponsável com o afeto de alguém sempre existiu, mas graças a evolução da sociedade (amém) tem ganhado destaque e precisa ser discutida. Algumas pessoas dizem que isso é frescura e que tem que superar um fora, mas amores, em tempos de saúde mental fragilizada, com índices de depressão elevados e relacionamentos cada menos duradouros, é muito importante que as pessoas sejam sinceras e tenham a maturidade para ser responsáveis com o que o outro sente.

Outra consequência que acho bem importante tratar nesse assunto é o resquício que isso deixa na pessoa que foi enganada, afinal dá um medo pesado de ser sacaneada de novo. E adivinha? Ou se fecha pra outros relacionamentos, ou passa a enganar também, o que não é legal pra ninguém.

Ah, não estou dizendo que responsabilidade afetiva é virar a madre Tereza e sair amando geral. NADA DISSO. É mandar a real (sem grosseria, por favor), e não ficar cozinhando alguém e brincando com o sentimento alheio, fazendo o outro sonhar com netflix e pipoca, quando na verdade você só quer gozar.

Leia mais