Amazonas Opinião Política Saude

Wilson Lima continua agindo como se ainda fosse apresentador de programa sensacionalista de tv

O governador Wilson Lima (PSC) e sua equipe de transição tiveram praticamente 2 meses para analisar a situação de como ele e sua equipe receberiam o governo no dia primeiro de janeiro. Não sabemos ao certo o que eles ficaram fazendo durante esse período, mas foi notória a “surpresa” que Wilson Lima e seu vice/secretário de saúde, Carlos Alberto (PRTB), tiveram na última quinta-feira, 9, na CEMA (Central de Medicamentos do Amazonas).

Parece que Lima e sua equipe passaram o período de transição brincando ou aproveitando as férias, para não saber que na CEMA estava com ausência de remédios e medicamentos próximos a vencer ou até mesmo já vencidos. Esse tipo de problema poderia ter sido evitado ou minimizado no período da transição de governo. Simplesmente fecharam os olhos, mesmo sabendo que a saúde do Estado do Amazonas vive um momento bastante delicado.

O mais absurdo é que o senhor governador age como se ainda estivesse apresentando um programa de televisão que usa do sensacionalismo para se manter, para ficar apenas denunciando um problema que poderia ser evitado. Agora correm atrás de mídia para mostrar o caos que está a saúde, e não apontam soluções para o problema, muito pelo contrário, resolveram criar mais um.

Wilson Lima simplesmente revogou mais de 130 processos licitatórios, entre eles os quais para a compra de medicamentos, materiais hospitalares e até a contratação de mais profissionais da saúde. E como se não bastasse a revogação dessas licitações, Wilson Lima informa a compra sem licitação e ainda por cima 350% mais cara sobre o preço do soro fisiológico, produto esse que pode ser comprado de maneira mais barata.

O governador nomeou seu vice para assumir a SUSAM defendendo que Carlos Alberto ia cuidar da corrupção nesse setor essencial do Estado. Mas é totalmente notório que tanto o governador quando seu secretário de saúde não possuem conhecimentos em administração pública, e que não está levando em consideração o potencial das informações da mídia.

Wilson Lima já esta na mira do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE), e pode perder o mandato mais rápido do que o planejado pela sua equipe, que tem como líder a família de empresários da Rede Calderaro.