Mulher procura delegacia para denunciar sequestro da filha e acaba presa por latrocínio

por Naief Queiroz
Mulher procura delegacia para denunciar sequestro da filha e acaba presa por latrocínio

Manaus/AM – Marinéia Rodrigues da Rocha, 35, foi presa preventivamente no domingo (4), em cumprimento a mandado judicial pelo crime de latrocínio. Ela foi presa após procurar a delegacia para denunciar um suposto sequestro de sua filha, de apenas 4 anos.

Segundo a titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), a ordem judicial foi expedida no dia 9 de julho de 2013, pelo juiz Jaime Arthur Santoro Loureiro, da 2º Vara Criminal, e foi cumprida neste domingo após a mulher se apresentar na delegacia para pedir que investigassem um suposto sequestro de sua filha de 4 ano de idade.

De acordo com a delegada Joyce Coelho, a filha da suspeita havia sumindo na noite de sábado (2), por volta das 21h30, na Rodovia Deputado Vidal Mendonça, bairro da Paz, zona Centro-Oeste da cidade.

“Ela foi denunciada em 2011 por um fato que ocorreu em 2002 de latrocínio. E na hora que averiguamos havia dois mandados abertos no nome dela e ela foi recolhida. Na época do crime, ela estava em uma festa e em determinado momento se envolveu em uma discussão. Ela acabou dando uma facada no pescoço de um homem e depois roubou os pertences dele, que foi o celular e o relógio”, contou a delegada.

A delegada explicou ainda que a criança foi entregue na Depca, por um homem de 42 anos na tarde de domingo (3), que rebateu a versão de Marinéia. Segundo ele, a mãe e um outro homem estariam xingando a criança e com medo pela vida da menina a pegou e levou para sua casa.

“Por volta de 9h de domingo compareceu uma pessoa aqui na delegacia com a criança, dizendo que a menina estava em risco de vulnerabilidade na rua, durante a noite. Ele teria visualizado a mulher totalmente alcoolizada, caindo no chão e a menina correndo risco de ser atropelada. Ao chegar na casa dele passou a fazer fotos e videos divulgado que achou a criança. A versão dele é mais coerente que a da mãe que alega não saber quem pegou a criança.  Ainda assim por se tratar de uma criança encaminhamos para corpo de delito e conjunção carnal, para verificar porque ela ficou em poder de pessoas estranhas”, destacou.

A suspeita foi indiciada por latrocínio. Ao término dos procedimentos cabíveis na Depca, ela será levada ao Centro de Detenção Provisório Feminino (CDPF), onde ficará a disposição da Justiça. 

Leia também