Secretário é suspeito de comandar esquema milionário e fraudulento na prefeitura de Boa Vista

por admin
Secretário é suspeito de comandar esquema milionário e fraudulento na prefeitura de Boa Vista

O Observatório Manaus recebeu uma denúncia referente a um suposto esquema de corrupção dentro da Secretaria de Obras de Boa Vista (RR). Segundo a fonte, que pediu para não ser identificada, o esquema já acontece há anos e é de conhecimento das autoridades locais. A empresa Coema Paisagismo, Urbanização e Serviços Ltda ganhou no último dia 19 de março um contrato milionário com a prefeitura de Boa Vista e com dispensa de licitação.

Conforme a fonte, o secretário adjunto de Obras da prefeitura de Boa Vista, Guga Carvalho, foi quem direcionou a licitação para empresa Coema.

A fonte disse ainda ao Observatório Manaus que Guga Carvalho comanda um suposto esquema de corrupção dentro da secretária de Obras e debaixo do nariz da prefeita Teresa Surita.

A empresa Coema responde a mais de 10 processos por desvio de verba pública e inúmeras fraudes ao erário público.

O ex-dono da empresa Coema é Marco Aurélio Leite Nunes que, segundo informações da fonte, usa o genro e atual sócio da empresa, José Eloy dos Santos Júnior, como “Laranja” para manter o esquema de corrupção dentro dos órgãos públicos e “lavar dinheiro”.

A fonte disse que o esquema de corrupção entre órgãos públicos e a empresa Coema Paisagismo, Urbanização e Serviços Ltda vai muito além da prefeitura de Boa Vista. A fonte revelou ainda a existência de outras prefeituras em Roraima que também usam a empresa para fazer “lavagem de dinheiro”.

“O Guga Carvalho, secretário adjunto de Obras da prefeita Teresa Surita, é conhecido no meio empresarial e nos bastidores da política, como ‘Guga cruzeteiro'”, disse a fonte para Observatório Manaus.

A Coema Paisagismo, Urbanização e Serviços Ltda é velha conhecida da Justiça de Roraima. Em 2013, a empresa foi alvo do  Ministério Público do Estado de Roraima por suspeita de fraude licitatória.

O MPE pediu a suspensão imediata dos serviços realizados pela empresa. O valor das obras contratadas pelo Estado para recapeamento das ruas de Boa Vista chegavam ao montante de R$ 39,7 milhões.  

A ação foi motivada com base em denúncia de direcionamento da licitação protocolada na Promotoria do Patrimônio Público em janeiro de 2013, noticiando articulação criminosa com o fim de fraudar o Poder Público. A denúncia foi comprovada nas investigações do Ministério Público e que, segundo os promotores do caso, Luiz Antônio Araújo de Souza e João Xavier Paixão, foi requerida a anulação dos procedimentos licitatórios e a punição dos agentes públicos e particulares responsáveis.

Conforme os promotores, houve direcionamento na licitação à época, fato considerado burla à legislação vigente. Em 2019 a história se repete. Mais uma vez a Coema Paisagismo, Urbanização e Serviços Ltda tenta burlar a justiça.

Leia também