‘Carlos Bolsonaro sumiu. Alguém disse chega”, afirma Mourão

por Naief Queiroz
‘Carlos Bolsonaro sumiu. Alguém disse chega”, afirma Mourão

“Não é off, não. Pode ser em on mesmo.” Foi assim que o presidente da República em exercício, Hamilton Mourão, recebeu ontem a coluna para uma entrevista na sala da Vice-Presidência, no anexo do Palácio do Planalto. Com os termos em inglês, Mourão foi claro, com ÉPOCA, que não falaria extraoficialmente, ou seja, off the records. Pediu para gravar a conversa, pedido a que a coluna não se opôs. Esta quinta-feira foi a sétima vez em que Mourão segurou a caneta presidencial. Está tranquilo, principalmente porque vê uma crescente tranquilidade entre os núcleos ideológico e militar, que racharam o governo Jair Bolsonaro desde janeiro.

“Alguém chegou para essa turma [os olavistas] e disse: ‘Chega’. Acho que o próprio presidente pode ter feito isso”, revelou. “Carlos sumiu”, analisou, referindo-se ao vereador Carlos Bolsonaro, o mais virulento filho do presidente, que atacou o próprio Mourão em diversos episódios e contribuiu para quase azedar de vez a relação entre os fardados e os ultraconservadores.

Mourão também melhorou sua avaliação sobre a política externa brasileira. Segundo ele, o número dois do Itamaraty, Otávio Brandelli, tem desempenhado um papel estratégico em frear Ernesto Araújo. “O presidente deu algumas diretrizes”, afirmou.

Depois de cinco meses, em que se reuniu com o presidente chinês, Xi Jinping, o vice americano, Mike Pence, e palestrou para alunos e professores de Harvard, Mourão usou palavras de lealdade ao presidente ao longo da conversa — “ele deu as diretrizes”, “é o jeito dele”, “ele quem decide”.

Disse que a relação dele com o presidente está boa e afirmou ter entregado um documento pessoal de oito páginas para Bolsonaro, com propostas para o Brasil.

“Falei para ele que, se ele não gostar, pode triturar”, brincou.

Leia abaixo trechos da entrevista.

O senhor viajou para a China logo depois do 15 de maio. O que achou dos protestos contra os cortes na Educação?

O governo errou na comunicação. Contingenciamento acontece todo ano. Falaram em corte, e a coisa deu errado.

Mas em 15 de maio o responsável pela Comunicação já era o novo secretário, Fabio Wajngarten. Foi um erro dele?

A comunicação foi ruim… Do governo, dos ministérios. Tinham de ter dito que foi contingenciamento. Isso tinha de ser mostrado para todo mundo. Ninguém falou dos restos a pagar que foram pagos. O ministro se comunicou mal. Tinha de explicar as razões.

E o que achou de o ministro Weintraub dançar com um guarda-chuva nas redes sociais? Ele  já cantou “Singing in the rain” para o senhor?

O que o senhor achou da proposta do presidente, de tirar a obrigação da cadeirinha para reforçar a segurança de crianças no carro?

São as ideias do presidente, não é? Isso vai muito no livre-arbítrio da pessoa, não é? Se ela for esclarecida, se for responsável com a segurança do seu filho, vai colocar cadeirinha para o filho pequeno.

O senhor não acha que o governo perde muito tempo mandando projetos para o Congresso sem conversar com ninguém antes? O Congresso já disse que não aprova isso.

Isso vai ser discutido no Congresso. Às vezes a gente perde tempo numa discussão que não vai render nada.

Essa é a nossa pergunta. O presidente não deveria conversar antes? Ter um diálogo?

É o jeito do presidente. Ele pensa de maneira setorizada.

As coisas deram uma acalmada na relação entre os núcleos militar e ideológico, não? Depois de o Olavo de Carvalho atacar o general Eduardo Villas Bôas, debochando da doença dele, aquilo meio que foi o fundo do poço da relação entre militares e olavistas, não foi?

Foi. Alguém chegou para essa turma [os olavistas] e disse: “Chega”. Acho que o próprio presidente pode ter feito isso.

Não sei.

O ministro Augusto Heleno?

Não sei.

O vereador Carlos Bolsonaro parece ter sido controlado. Foi?

O Carlos sumiu.

Depois de viajar para os Estados Unidos, estar com o vice Mike Pence, ir a Harvard e se reunir com o primeiro-ministro chinês, qual é a avaliação que o senhor faz da política externa brasileira? No passado, o senhor disse que não via uma política externa na gestão do Ernesto Araújo.

Melhorou. O presidente deu algumas diretrizes. Foi claro sobre a importância da China. Falei com ele sobre Rússia, os Brics e da importância de ele ir à China. Ele vai ao Japão, no G20. Conversei com o Otávio para sermos pragmáticos na nossa política externa. O Otávio gostou.

Otávio Brandelli?

Otávio Brandelli, do Itamaraty [Otávio Brandelli é o secretário-geral do Itamaraty, ou seja, o número dois do ministério]. Um cara de fé. Eu o levaria para a guerra comigo.

O secretário-geral tem sido um moderador ante a falta de rumo do Ernesto Araújo?

Sim. O Brandelli é respeitado como força de moderação no Itamaraty.

E o Filipe Martins, o assessor internacional do presidente? Qual tem sido o papel dele?

O Filipe fica falando no ouvido do presidente. O negócio dele é no Twitter.

O presidente já escolheu quem vai indicar para procurador-geral?

O presidente me disse que já tem o nome dele escolhido. Ele não me disse quem e nem eu perguntei. Minha sensação é que não vai ser fora da lista tríplice.

Como está a relação dos senhores?

Ótima. Eu entreguei para o presidente um documento meu, com ideias, planejamentos. Falei para ele: “É só para você. Não discuta com ninguém”. Brinquei com ele que, se ele não gostar, pode triturar. Foram oito páginas, bati aqui no computador da sala.

Leia também