Indicada ao Emmy, Marjorie Estiano quase trocou tudo pelo grupo Rouge

por Naief Queiroz
Indicada ao Emmy, Marjorie Estiano quase trocou tudo pelo grupo Rouge

Aos 37 anos, ela acaba de ser indicada ao Emmy Internacional por seu papel em ‘Sob Pressão’. Na série da Globo, Marjorie vive a complicada médica Carolina, que enfrenta o não menos difícil dia a dia da saúde pública no Brasil.

O prêmio Emmy Internacional é concedido aos melhores programas de TV produzidos e exibidos fora dos EUA.

E Marjoria merece um Emmy para chamar de ‘seu’.

O primeiro papel na televisão dessa Curitibana foi como Natasha, em ‘Malhação’ (2004). Longe dos padrões estéticos escravizantes da TV, Marjorie era uma adolescente magricela, branquela, desingonçada e de cabelos curtinhos. 

O visual diferentão não lhe rendeu fãs logo de cara, mas sua voz linda lhe levou mais longe.

Marjorie canta e canta bem. Tem até uma carreira paralela de cantora, mas a atuação falou mais alto.

Pouca gente sabe, mas ela foi uma das candidatas do reality show ‘Popstars’, exibido pelo SBT, sendo aprovada nas primeiras fases entre quase 30 mil candidatas.

Foi muito bem logo de início, mas o reality precisava de dedicação integral e Marjorie teria de abandonar o teatro, a carreira de atriz. Acabou sendo eliminada.

O programa foi criado para formar um grupo pop feminino. Dele, em 2002, veio o Rouge. Sim, Marjorie quase cantou ‘Ragatanga’ até passar mal. O Rouge acabou em 2006.

Marjorie no 'PopStar' , do SBT

Marjorie no ‘PopStar’ , do SBT

Reprodução

Mas voltando às novelas, as boas oportunidades na TV não demoraram a aparecer. Virou protagonista rápido, em 2007, fazendo Maria Paula, uma jovem dividida entre o amor e o desejo de vingança, na novela ‘Duas Caras’. Apanhou forte da crítica na época, mas saiu mais forte.

Chegou a ser convidada para viver Elis Regina em “Elis, o Musical”, com texto de Nelson Motta e direção de Dennis Carvalho, mas recusou. Quem recusa viver Elis?

Marjorie recusou. E passou a recusar o que achava que não tinha a ver com ela, ou que não conseguiria fazer com maestria.

Talvez, dessa escolha mais apurada de trabalhos tenha surgido a sua trinca de ouro na TV, com personagens intensas como só ela sabe fazer.

A primeira é um marco na carreira da atriz. Marjorie tem um antes e um depois de ‘Ligações Perigosas’, adaptação da famosa obra de Pierre Choderlos de Laclos.

Na série, ao lado de Selton Mello, fez de Mariana de Santanna uma das melhores coisas da produção.

Com sua interpretação primorosa, roubou o coração dos espectadores, o meu e o do Selton. O ator confessou anos depois, em uma entrevista, que se ‘apaixonou’ por Marjorie de verdade durante as gravações da série. Selton garantiu que nada aconteceu entre eles (por que ela não quis, risos), e que acabaram se tornando ‘grandes amigos’. 

“Ela é apaixonante”, afirmou o ator.

Na sequência veio Beatriz , da minissérie ‘Justiça’. A personagem é uma bailarina que fica tetraplégica após um atropelamento e pede ao marido, interpretado por Cauã Reymond, que lhe faça eutanásia. Porrada, não? Mas Marjorie deu conta.

Assim como deu e segue dando conta da Dr. Carolina, de ‘Sob Pressão’. Religiosa, a cirurgiã vascular busca na fé o antídoto contra toda miséria que enfrenta no dia a dia. Tudo isso enquanto dribla próprias dores, traumas, mazelas da alma. Mais visceral impossível!

Que venha o Emmy!

Leia também