Criança que aguardava cirurgia de coração morre em Manaus; outras 200 continuam em fila de espera

por Naief Queiroz
Criança que aguardava cirurgia de coração morre em Manaus; outras 200 continuam em fila de espera

Com pouco mais de um mês de vida, a pequena Talita Valentina morreu, no último dia 17, enquanto aguardava por uma cirurgia no coração, em Manaus. Neste ano, outras 28 crianças com doenças no coração também morreram na espera de um procedimento cirúrgico no estado do Amazonas, segundo a Associação dos Cardiopatas. Atualmente, os pais de mais de 200 crianças ainda aguardam na fila, com esperança de que a Justiça possa resolver a situação crítica.

Desde o primeiro dia de vida, Talita lutava para sobreviver e, no dia 8 de novembro, a família conseguiu na Justiça o direito a uma cirurgia cardíaca. O estado deveria operar a menina sob pena de multa diária de R$ 5 mil. Caso não tivesse condições de realizar o procedimento, deveria encaminhar a criança um hospital particular. No entanto, Valentina morreu nove dias depois.

Ao G1, a Secretaria de Estado de Saúde (Susam) informou que “Na ocasião da notificação judicial, a capacidade instalada do Hospital Francisca Mendes estava no máximo de sua ocupação com crianças igualmente graves, tanto no pré quanto no pós-operatório. Diante da situação, a secretaria buscou a contratação de vaga na rede privada, porém a criança veio a óbito antes de concluído o processo”.

A avó da menina, Marilene da Costa, lamentou a fatalidade. “A demanda é muito grande e a gente não quer que aconteça mais isso. Tem que parar”, pediu.

Ayla, uma outra menina que completaria um ano e quatro meses neste mês, morreu no dia 30 de novembro. Segundo a família, ela aguardou por meses a cirurgia, mas, quando o estado atendeu a determinação da Justiça, ela contraiu duas infecções no Hospital Francisca Mendes e não pôde ser operada. Depois de conseguir tratar as infecções, conseguiu, por meio de doação, fazer a cirurgia num hospital particular, mas não resistiu ao pós-operatório.

Comovido, o pai da criança, Aldecy Lemos, explicou à reportagem que “quando ela foi operar, já estava com o coração muito inchado. Era um coração sofrido, de muita luta”.

De acordo com o presidente da Associação dos Pais de Crianças Cardiopatas do Amazonas, Dione Carvalho, o estado não tem cumprido as decisões judiciais. “A partir do momento em que ele nega, se omite, em cumprir uma liminar, ele está matando, assassinando. Este é o termo correto”, pontuou.

A diretora do departamento de saúde da capital, Nayara Maksoud, disse que o governo tenta atender a demanda da justiça, mas esbarra na falta de leitos, material e de gente. “As medidas judiciais são olhadas com prioridade dentro da secretaria, mas, para serem executadas, precisa ser levado em consideração a capacidade instalada que tem para que essa medida seja colocada em prática”, explicou.

O Hospital Francisca Mendes tem oito leitos de UTI, sendo cinco infantis e três neonatais. No entanto, o ideal no momento seriam pelo menos 16 leitos.

“Dentro de um hospital que trabalha com alta complexidade, a inexistência ou paralisação de um leito de UTI, representa a paralisação de cirurgias. Não adianta ter leito cirúrgico e não ter leito de UTI. Dessa forma, eu não posso operar a criança”, contou.

De acordo com a promotora, o Francisca Mendes passou por mudanças na fila de prioridade para atendimento dos cardiopatas e o material disponível é que dita quem vai ser atendido. “Eles desconsideram a classificação de risco do mais grave e passa a adotar uma classificação de material existente para conseguir fazer o procedimento”, explicou.

Além da complexidade das doenças, existem ainda as questões administrativas no setor público. Quase sempre o tempo da burocracia é maior que o tempo que as crianças têm para serem submetidas ao procedimento cirúrgico e, nessa espera, muitas crianças não resistem.

Leia também