Glenn entra com recurso contra denúncia do Ministério Público

por Naief Queiroz

O jornalista Glenn Greenwald, editor do The Intercept Brasil, apresentou recurso na noite de quarta-feira (22) solicitando a rejeição da denúncia apresentada pelo procurador Wellington Oliveira, pró-Moro. Oliveira denunciou Glenn mesmo após a Polícia Federal alegar não ver indícios de crimes em mensagens obtidas pela Operação Spoofing, que investigou o vazamento de conversas de autoridades que deu origem à Vaza Jato.

Segundo o G1, o jornalista apresentou petição à 10ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal. O juiz federal Ricardo Leite é o responsável por decidir se aceita ou não a denúncia do MP. Glenn foi denunciado por associação criminosa e interceptação telefônica, informática ou telemática.

O editor do Intercept sequer foi alvo de investigação da Polícia Federal que, ao analisar as mesmas mensagens que basearam a denúncia do MP, inocentou Glenn. “Não é possível identificar a participação moral e material do jornalista Glenn Greenwald nos crimes investigados”, disse a PF em relatório.

A denúncia apresentada por Oliveira ganhou destaque internacional. Uma campanha foi mobilizada por norte-americanos nas redes sociais e os principais jornais dos Estados Unidos deram destaque à perseguição contra Glenn. O Washington Post chegou a publicar um artigo do ex-presidente Lula sobre o caso.

Glenn fica

Glenn ainda descartou deixar o país em mensagem publicada no Twitter nesta quinta-feira (23). “Como era verdade desde o início da Vaza Jato, tenho o direito de sair do Brasil a qualquer momento. Meu marido David Miranda e nossos filhos têm direito à cidadania dos EUA. Mas não estamos saindo e nunca iremos. Isso mostra tudo sobre o que pensamos dessa denúncia abusiva”, afirmou.

Leia também