Bispo é preso acusado de fazer sexo com vítimas para “tirar maldição”

por Naief Queiroz
Bispo é preso acusado de fazer sexo com vítimas para “tirar maldição”

O bispo de oito igrejas evangélicas suspeito de estuprar fiéis no Distrito Federal e Entorno fazia sexo com as vítimas alegando que o ato era necessário para “tirar a maldição”. Após penetrar em adolescentes e mulheres, João Batista dos Santos (foto em destaque), 40 anos, dizia que subiria em um monte para se livrar da carga espiritual adquirida durante a relação.

O líder religioso foi detido na madrugada desta quarta-feira (19/02/2020) no Aeroporto Internacional de Brasília, ao desembarcar de um voo que vinha de Foz do Iguaçu, no Paraná. Ele é acusado de violentar mulheres no Gama, Recanto das Emas, em Cristalina e Goiânia.

Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), uma vítima de 13 anos teria procurado o líder religioso, em 2017, para pedir conselhos sobre sua orientação sexual. O abusador, então, respondeu indicando um “tratamento” que consistia em passar o que ele dizia ser óleo ungido nas partes íntimas da menina.

“Ele disse que poderia ajudar e foi aí que aconteceu o primeiro abuso, que passou a ser reiterado. Posteriormente, descobrimos que ele já tinha outras ocorrências no nome dele com o mesmo modus operandi“, contou o delegado chefe da 27ª DP, Pablo Aguiar.

De acordo com investigadores, o bispo evangélico buscava a garota em casa e falava aos pais dela que ela o ajudaria a resolver algumas questões relacionadas ao culto. Quando se certificava que estavam sozinhos, a despia e praticava o estupro.

João Batista ainda teria pedido para que a adolescente lhe enviasse fotos nuas, pois precisava das imagens para orar por ela no monte. A vítima desenvolveu síndrome do pânico e, no meio do tratamento, contou ao profissional e aos pais, já em 2019, a violência sexual sofrida.

Apesar de as investigações relacionadas aos quatro casos serem dadas como encerradas, o chefe da unidade policial pede que novas vítimas não hesitem em procurar a delegacia para denunciar.

Outros quatro abusos

Contra o bispo há registro de outros quatro abusos. O primeiro é datado de 2013. “Ele chegou a ser condenado por estupro de vulnerável, mas estava recorrendo em liberdade”, afirma o delegado. Os outros casos são de 2014, 2016 e 2017. No de 2014, em um processo no DF aberto para investigar supostos abusos contra uma jovem de 21 anos e uma adolescente de 15, ele foi absolvido. O mesmo ocorreu em 2017, quando acabou isento em um processo registrado na 14ª DP (Gama) que apurava denúncia de estupro de duas garotas: uma de 16 e a outra de 17 anos.

Já no de 2016 acabou condenado por violação sexual mediante fraude contra uma mulher de 19 anos. “Esse bispo diz ser presidente de oito igrejas, mas conseguimos confirmar apenas quatro: Recanto, Gama, Cristalina e Goiânia. Acreditamos que ele possa ter feito muito mais vítimas em cada uma delas”, analisa o delegado-chefe da 27ª DP (Recanto das Emas), Pablo Aguiar.

Pai de santo detido

Em janeiro último, outro caso envolvendo abuso sexual praticado por liderança religiosa chamou atenção. Investigadores da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) prenderam um pai de santo de 31 anos suspeito de abusar sexualmente de três mulheres e uma adolescente. O religioso dizia que as vítimas teriam prosperidade e se livrariam de maldições caso tivessem relações sexuais com ele.

As investigações revelaram que o pai de santo ganhava a confiança das vítimas e dizia que a entidade Exu Veludo – a qual ele alegava ser capaz de incorporar – era apaixonado por elas. Uma das vítimas chegou a engravidar do suposto abusador e ele teria forçado a jovem a abortar o feto. O acusado teria auxiliado no procedimento e fornecido medicamentos abortivos.

O suspeito tem um terreiro em Águas Lindas, onde ele conheceu as jovens, mas os estupros teriam ocorrido em sua casa, em Ceilândia, e na residência das vítimas. Das quatro mulheres que acusam o religioso de abuso, três eram virgens.

Ele foi autuado por violação sexual mediante fraude e aborto provocado por terceiro sem consentimento da gestante. O pai de santo foi levado para a Divisão de Controle e Custódia de Presos (DCCP) e seguirá detido por tempo indeterminado.

João de Deus

Outra denúncia que abalou o país foi a do médium João de Deus, condenado no último dia 20 de janeiro a 40 anos de prisão por cinco estupros de vulneráveis. O líder espiritual, que atendia em Abadiânia (GO), foi denunciado por 330 mulheres. Desse total, 194 se transformaram em processos. Nas acusações que já foram formalmente apresentadas, somam-se 57 vítimas.

Além dos processos que tramitam na Justiça, há casos de crimes já prescritos – o MP estima que muitas vítimas nem sequer tenham denunciado os abusos. Os delitos teriam ocorrido entre 1973 e 2018.

Ele nega todas as acusações. Em todas as ocasiões em que foi interrogado, o médium afirmou não conhecer as vítimas e garantiu não ter cometido os abusos.

Leia também