Brasil registra 25.598 mortes por Covid-19 hoje; Amazonas lidera mortalidade

por Naief Queiroz

O Brasil ultrapassou os 411 mil contaminados pelo coronavírus,  um aumento de mais de 20 mil casos nas últimas 24 horas. No período, foram mais 1.086 mortes registradas, chegando a um total de 25.598 mortos pela doença.

Nessa quarta-feira, o estado com maior mortalidade pela Covid-19 no país, o Amazonas (45 mortos por cada 100 mil habitantes), anunciou a flexibilização do isolamento com abertura gradual de Manaus.

A partir do dia 1º de junho, serão permitidos o funcionamento de igrejas e templos, lojas de artigos de esporte, vestuário, móveis, joalherias, comércio médio, variedades e petshops, além de concessionárias de veículos, óticas, floricultura, bancas de revista, atendimento médico e odontológico.

A retomada será de forma gradual, a partir de regras de distanciamento social, uso de máscaras e álcool em gel e medição de temperatura de clientes.

No dia 15 de junho, será a segunda fase de abertura, com lojas de informática, comunicação, telefonia, lojas de brinquedos, papelarias e livrarias. Outras atividades devem ser retomadas em 29 de junho e em 6 de julho.

Não há prazo definido para a volta das aulas na rede pública e também para bares, casas de shows e eventos. O Amazonas registrou, nesta quarta-feira, 39 novas mortes e mais de 1,5 mil contaminados.

Segundo o governo do estado, a medida foi possível graças a uma redução do número de casos. O governador Wilson Lima (PSC) afirmou que as decisões são tomadas de forma equilibrada, para que possa garantir a retomada da economia.

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB) afirmou ser contrário à reabertura do comércio na capital. Para ele, é preciso cautela porque, apesar da redução de sepultamentos na capital, o número de casos continua subindo.

Arthur Virgílio disse temer por uma segunda onda da doença, que pode ser ainda mais grave. O prefeito destacou que em Manaus a população não aderiu ao isolamento social, e que a reabertura estava acontecendo antes de quaisquer medidas serem oficializadas.

O governado do estado afirmou que as medidas de abertura do comércio foram definidas para Manaus. As prefeituras do interior do estado terão autonomia para definir a flexibilização do isolamento.

Leia também