Homem é preso após live em churrasco com produtos furtados

por Naief Queiroz
Homem é preso após live em churrasco com produtos furtados

Um homem, de 23 anos, foi preso em flagrante por receptação de produtos roubados, após fazer uma live mostrando um churrasco com objetos que teriam sido levados de um imóvel no bairro Bela Vista, em Teresina. A prisão ocorreu ontem na casa dele, no bairro Promorar. Após audiência de custódia, a Justiça o liberou para responder em liberdade pelo crime.

O homem estava sendo monitorado havia três dias por equipe do GAO (Grupo de Apoio Operacional) da Polícia Civil do Piauí, depois que o dono do imóvel invadido identificou objetos roubados de posse do suspeito em publicações na internet.

O coordenador do GAO, Joattan Gonçalves, contou que, há cerca de um mês, o imóvel foi arrombado e invadido por três homens. A ação ocorreu enquanto o proprietário via pelas câmeras do circuito interno, sem poder fazer nada, pois ele está nos Estados Unidos sem poder voltar ao Brasil devido à pandemia do novo coronavírus, causador da covid-19.

Um dos filhos do dono do imóvel compareceu à delegacia para registrar um boletim de ocorrência sobre e até então não se tinha descoberto nenhum suspeito do crime. Foram levados três televisores de LCD, aparelhos de home theater e som, churrasqueira elétrica, entre outros objetos.

No último fim de semana, o homem, conhecido pelo apelido de “rei da ostentação”, publicou um churrasco em que apareciam produtos levados do imóvel, como fritadeira elétrica, frigobar e caixa de som etc. A polícia montou campana em frente à casa dele. Ao ser abordado, entregou os objetos e foi preso por receptação. Os itens recuperados foram devolvidos ao filho da vítima.

“Os objetos postados em fotos e lives nas redes sociais se assemelhavam aos da vítima, como a churrasqueira elétrica e o som. No frigobar, ele colocou uma película marrom, mas também identificamos que era da vítima, que tinha nota fiscal de tudo que foi roubado. Ele foi preso em flagrante por receptação, crime continuado, pois adquiriu objeto de furto”, explicou Gonçalves.

O homem foi levado para central de flagrantes de Teresina e depois levado para audiência de custódia. Horas depois, ao ser ouvido pela Justiça, ele foi solto e vai responder pelo crime em liberdade.

O inquérito policial ainda está sendo produzido pela 10ª delegacia de polícia e, na sua conclusão, a polícia vai definir se o homem preso será indiciado pelo crime de receptação culposa ou dolosa. A polícia tem 30 dias para concluir o inquérito para remeter ao Ministério Público.

“Ele confessou que comprou os objetos de uma pessoa, mas não disse o nome. Estamos investigando, por meio das imagens fornecidas pelo proprietário do imóvel, se o preso participou do roubo ao imóvel ou se ele só adquiriu os objetos roubados”, contou Gonçalves.

“Rei da ostentação”

O investigado foi identificado pelo nome de Wilderson Ricardo. O perfil dele no Instagram tem 12,5 mil seguidores e ele se autointitula como o “rei da ostentação”. O perfil dele foi colocado como privado após ser preso.

Segundo a polícia, a maioria das publicações é dele ostentando objetos de valor, cédulas de dinheiro, bebidas alcoólicas, entre outros. Em uma delas, Ricardo mostra uma mesa com dinheiro e sete tipos de bebidas, como uísque, gim e vodca de marcas caras.

A polícia disse que durante a prisão o homem cuspiu nos policiais, estirou a língua e sorriu. Após ser solto pela Justiça, o investigado ainda gravou um vídeo desdenhando da operação da Polícia Civil e debochando com o coordenador do GAO. Ele diz que não pagou fiança. “Fui solto porque eu fui solto mesmo, nós nem pagamos advogado. Policial ‘Jonatan’ já está na minha cola, beijo para você lindo! Quer vir dormir comigo? A cama está aqui, vamos dormir juntos hoje?”, debocha.

O coordenador do GAO repudiou a atitude do homem e informou que o material vai ser anexado ao inquérito policial. “O cara foi solto ontem e grava um vídeo dizendo: ‘Joatan, rapaz, mando um beijo para ti , vem dormir na minha cama’. Isso é zombar da cara do estado”, destaca Gonçalves.

Tentamos entrar em com o investigado, mas não conseguiu resposta. Os dois números disponibilizados por ele nas redes sociais estão desligados. A reportagem enviou mensagens para os perfis dele, mas até a publicação deste texto ele não retornou.

Em uma publicação nos stories do Facebook, ele afirma que foi detido por receptação “porque comprei coisa roubada”. “Vai dizer quem nunca comprou algo roubado, né! E tô nem aí pra quem fala mal de mim, não! Não me importo com nada que me atrasa!”, declarou o jovem, dizendo que as pessoas “cuidem da sua vida porque a minha tá boa, bebê”.

Leia também