Os Simpsons previram a Casa Branca apagada e a morte de Donald Trump?

por Naief Queiroz

Sempre que um fato alarmante toma conta do noticiário, logo aparecem especulações de que “Os Simpsons previram o futuro”. Bom, não foram poucas as vezes que o criador Matt Groening e demais roteristas da série anteciparam fatos durante um episódio do desenho, como na chegada do iPad e o fracasso do Brasil na Copa do Mundo de 2014, que você pode ver aqui. Desta vez, porém, o alvo das teorias é a série de manifestações antirracistas por conta do assassinato de George Floyd por um policial branco, que o asfixiou durante uma abordagem. Internautas afirmam que o seriado previu Donald Trump eleito e depois morto, a Casa Branca apagada e manifestações contra o governo. Bom, não é bem assim.

Ver imagem no Twitter
Ver imagem no Twitter
Ver imagem no Twitter

De fato existe uma “previsão” sobre a eleição do atual presidente norte-americano, que ocorreu em 2015. Em “Bart to The Future”, episódio que foi exibido originalmente no início dos anos 2000, Lisa Simpson, recém-eleita presidente dos EUA, se questiona de seu antecessor, Donald Trump, afirmando que  que “herdou uma grande dívida” e que “o país estava quebrado”.

Sobre a Casa Branca apagada, é apenas uma das cenas de corte do especial de Halloween que no Brasil é traduzido como a “Casa da Árvore dos Horrores” na qual há uma invasão na terra.

Em relação às manifestações com tochas, elas ocorrem no espisódio “Maridos e Facas”, no qual Homer Simpson tenta passar por procedimentos estéticos para não perder Marge, que abriu uma franquia de academias. Após se tornar uma “aberração” em seus sonhos, é perseguido pela população de Springfield.

Por fim, sobre a morte de Donald Trump, apesar de Matt Groening ser publicamente contrário às ideias do presidente, em nenhum episódio houve a ilustração que circula na internet. 

Há uma semana, os Estados Unidos foram tomados por uma onda de protestos contra a abordagem do policial branco Derek Chauvin, que asfixiou Floyd, um homem negro, de 46 anos, pressionando o joelho sobre o pescoço da vítima por nove minutos, apesar dele não apresentar qualquer tipo de reação.

Leia também