Amazonas tem mais de 6,9 mil pedidos de seguro-desemprego em junho; total na pandemia chega a 27.139 mil

por Naief Queiroz

A Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia informou que foram registrados 6.964 mil pedidos de seguro-desemprego em junho, no Amazonas. Os dados fazem parte do levantamento de pedidos do benefício no país, divulgado pela Secretaria, na quinta-feira (9). O número é 30,9% maior que o verificado no mesmo mês do ano passado, quando houve 5,3 mil solicitações.

De acordo com os dados divulgados pela Secretaria de Trabalho, com os dados de junho, o número total de pedidos do benefício no Amazonas subiu para 27.139 mil desde a segunda quinzena de março, quando a economia brasileira começou a sentir os efeitos da pandemia do novo coronavírus.

Ainda conforme os dados da Secretaria do Trabalho, a maior proporção de pedidos do seguro-desemprego no Amazonas foi para homens, com 4.549 registros. Entre as mulheres, houve um registro de 2.415 pedidos do benefício.

A faixa etária em que mais houve registro de pedidos do seguro-desemprego no Amazonas foi entre pessoas de 30 a 39 anos, com 2.489 dos pedidos, seguida de pessoas com idade entre 40 e 49 anos, com 1.563 dos pedidos totais.

Capital com maior índice de desemprego

De acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em maio, Manaus é a capital com a maior taxa de desemprego (18,5%) em todo o país, e o Amazonas é o 10° colocado no ranking nacional (14,5%) entre os estados com maior índice de desemprego.

Os resultados são referentes aos meses de janeiro, fevereiro e março de 2020 em comparação com os últimos três meses de 2019 e mostraram, ainda, um crescimento na taxa de informalidade do Estado, que chegou a 58,9%, terceira maior do país.

Por conta da pandemia do coronavírus, o funcionamento do comércio não essencial em Manaus foi fechado desde o dia 15 de março e teve retomada gradativa das atividades a partir de 1º de junho. A indústria também adotou medidas de enfrentamento ao coronavírus, com demissões e paralisações na força de trabalho.

Leia também