Na marra, filha invade necrotério e busca ajuda para salvar pai dado como morto

por Naief Queiroz

Não basta “apenas” estar com os olhos abertos e respirando para se comprovar que alguém esteja vivo. Pelo menos foi a essa situação surreal que uma família colombiana foi submetida na cidade de Sincelejo, no último dia 8 de julho.

A história da família de Juan José Muñoz começa quando o senhor de 67 anos passa mal e é levado para a Clínica Las Peñitas. Por ser próxima do trabalho e por Muñoz ter histórico de pressão alta, nenhum alarde foi criado por seus familiares, conforme diz a publicação do portal “Sucre El Heraldo”.

Tudo transcorria normalmente, apesar do atendimento de cerca de duas horas, quando um médico informou que o patriarca havia falecido. Uma das filhas, no entanto, se recusou a acreditar na informação e pediu para ver o corpo. O pedido foi prontamente negado por causa dos riscos de contaminação pela Covid-19, doença desencadeada pelo novo coronavírus.

Mesmo assim, ela se aproveitou de uma distração da equipe médica e conseguiu invadir o necrotério, onde encontrou o pai com olhos abertos e respirando. Desesperada, a filha foi atrás de ajuda nas dependências da clínica, relatou a situação a um profissional de saúde que a informou que esse tipo de situação era normal em pessoas que acabaram de morrer.

“Minha irmã não ficou satisfeita com essa resposta, decidiu tirá-lo de lá e o levou para outra clínica”, disse um outro membro da família ao portal colombiano.

Porém, a situação custou uma isquemia a Juan José Muñoz por causa da demora no atendimento no período em que foi dado como morto. Atualmente ele ainda necessita de cuidados médicos, está internado na Clínica La Concepción, mas consciente e respirando normalmente.

Procuradas, a Clínica Las Peñitas e as autoridades de saúde da cidade não se pronunciaram sobre o caso.

Leia também