Delphina Aziz não funciona em sua totalidade, mas Estado paga 100% dos serviços, somando R$30 milhões ao mês

por Stephane

Membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde inspecionaram, na tarde desta quarta-feira (12), o Hospital e Pronto-Socorro Delphina Aziz, na zona norte de Manaus. Durante a visita feita pelos deputados estaduais Wilker Barreto (Podemos) e Delegado Péricles (PSL) foi constatado que a unidade hospitalar não chega a prestar, em sua totalidade, nem 70% dos serviços à população, entretanto, recebe 100% do governo do Amazonas, que paga R$30 milhões ao mês.

Para o deputado Wilker, a inspeção in loco comprovou as diversas irregularidades apontadas pelas investigações da CPI, como a falta de fiscalização da Susam nos pagamentos e o superfaturamento nos contratos de gestão da Organização Social (OS) Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) e do Programa Estadual de Parceria Público-Privada (PPP) – Zona Norte Engenharia, Manutenção e Gestão de Serviços, responsáveis pela administração da unidade hospitalar

“Estamos falando de um hospital que recebeu mais de 20 milhões nos últimos três meses, mas que devolveu apenas 70% dos serviços prestados. E a justificativa da Susam é que ela paga 100% para depois glosar (devolver). Mas se não fosse a CPI, será que ela iria devolver? No Amazonas, o governo paga e depois fiscaliza”, criticou Barreto.

O deputado sugeriu, ainda, que o melhor caminho para evitar desperdício do dinheiro público é o Executivo assumir a administração do HPS Delphina Aziz.

“O Amazonas hoje paga R$ 6 milhões por mês pelo aluguel do Delphina para usar menos da sua capacidade, por isso, o Estado precisa assumir as operações do hospital para garantir serviço e preço em prol da população”, finalizou Wilker.

Leia também