Governo gasta R$ 14 milhões em táxi aéreo mas população do interior sofre pela lentidão do serviço

por Naief Queiroz

Por: Alex Braga

Em denúncia, uma família relatou ao programa ‘Amazonas Diário’ que uma parente idosa em estado grave de saúde ficou quase uma semana aguardando transferência na UTI aérea para um hospital em Manaus. O interessante é que a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM) possui contrato com empresa de táxi aéreo que já faturou aproximadamente R$ 14 milhões neste ano.

Pandemia de Covid-19

Uma das medidas adotadas pelo governo de Wilson Lima para o enfrentamento do novo coronavírus foi a contratação de empresa especializada na prestação de serviço de transporte sanitário intermunicipal e interestadual de pacientes em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) aérea de pacientes, para operações em situação de água ou pista.

UTI aérea

A Manaus Aerotáxi Participações Ltda ganhou o contrato para três tipos de serviço diferentes, em aeronave propulsor a jato com velocidade de 800 km/h, em aeronave bimotor com velocidade de 350 km/h e em aeromoça monomotor com velocidade 240 km/h. Todas aptas ao transporte de pacientes em UTI, com o prazo de vigência de 180 dias, impassível de prorrogação.

Prorrogação do contrato

Contrariando a informação do primeiro contrato foi prorrogado os serviços de UTI aérea com a empresa Manaus Aerotáxi Ltda com a sede localizada na Avenida Santos Dumont, nº 1916, no Tarumã. Em 5 de junho, o ex-secretário de saúde Cássio Roberto Santo, solicitou aditivo ao Contrato 031/2020 com o valor superior a R$ 2 milhões.

Transporte milionário

No dia 13 de julho, o atual secretário estadual da saúde Marcellus Campelo assinou o 1º Termo Aditivo ao Contrato nº 031/2020 para serviço de UTI aérea de 13 de julho a 20 de outubro deste ano. No total a empresa possui mais de R$ 14 milhões emprenhados com o governo do Amazonas e já recebeu mais de R$ 11 milhões neste ano.

Sem atendimento

Mesmo o governo do Amazonas gastando mais de R$ 14 milhões em transporte de pacientes entre municípios, uma família relatou que a matriarca, ficou em estado grave, aguardando por mais de uma semana para ser transportada. A denúncia foi divulgada no programa ‘Amazonas Diário’ e segundo a família, após a exibição da matéria, a senhora conseguiu ser transportada.

Escândalos com aeronaves

Antes da pandemia de Covid-19, em dois anos no governo do Amazonas, Wilson Lima pagou cerca de R$ 7 milhões, sem licitação, com empresa de táxi aéreo por serviços prestados em 2017. Apenas entre janeiro e fevereiro, o governador gastou R$ 700 mil por duas viagens em jato de luxo. Além disso, pagou mais de R$ 3,7 milhões por dez voos.

Leia também