Médico veterinário é preso suspeito de abusar sexualmente de seis estagiárias

por Stephane

O médico veterinário Pedro Monteiro da Silva Júnior, 57, foi preso, na manhã desta quinta-feira (17), na casa de um vizinho, em frente a clínica dele, na Rua Aracê, no conjunto Manôa, zona norte de Manaus, por estupro tentado, importunação e assédio sexual, que teve como vítimas seis jovens que estagiaram na clínica dele. Os crimes ocorrem desde 2015.

Conforme a delegada da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM) zona centro-sul, Andréa Rocha, as equipes tomaram conhecimento do caso após uma jovem de 21 anos formalizar um Boletim de Ocorrência (BO) no 6° Distrito Integrado de Polícia (DIP). Na ocasião, ela informou que foi até a clínica veterinária no dia 9 deste mês, convidada por Pedro para trabalhar com ele e, ao chegar ao local, se dirigiu ao consultório e começaram a conversar sobre o trabalho, porém, em determinado momento ele a puxou e tentou beijá-la a força, baixou as calças e passou as mãos nas partes íntimas dela.

“Após formalizar a denúncia no 6° DIP, ela publicou o caso em uma rede social e ganhou repercussão, sendo assim, imediatamente apareceram outras cinco mulheres que relataram que haviam sido vítimas dele. Elas compareceram à DECCM e afirmaram que trabalharam como estagiárias do indivíduo, na ocasião em que ele cometeu os crimes. Os delitos, registrados agora na delegacia, ocorrem desde 2015”, afirmou a delegada.

A autoridade policial destacou, ainda, que o homem se aproveitava da profissão para cometer os crimes. Segundo Andréa, ele, que é dono da clínica veterinária, chamava as jovens para estagiarem no local, porém aproveitava a situação para realizar os delitos. “Em casos como este, é muito importante que as vítimas compareceram à unidade policial e formalizem a denúncia para tomarmos conhecimento e darmos andamento nas investigações”, frisou ela.

Ele será indiciado por estupro tentado, importunação e assédio sexual. Pedro será levado para a Central de Recebimento e Triagem (CRT), onde passará por audiência de custódia e ficará à disposição da Justiça.

Leia também