Vice acusa Wilson Lima de ser mandante da compra dos ventiladores superfaturados

por Naief Queiroz

Por: Alex Braga

O vice-governador do Amazonas Carlos Almeida disse em depoimento à Polícia Federal que o governador Wilson Lima colocou Gutemberg Alencar para ajudar o governo do Amazonas na questão da pandemia do novo coronavírus, em março deste ano. Para o vice, Alencar tem má fama é truculento e arrogante, por isso, queria distância. Carlos afirma não conhecer o proprietário da loja de vinhos, responsável por revender os ventiladores superfaturados ao Governo do Amazonas e ainda afirmou que não participou ou obteve vantagem indevida na aquisição dos aparelhos.

Operação Sangria
A 2ª fase das investigação da Operação Sangria conduzida pela Polícia Federal (PF) e Ministério Público Federal (MPF), apontam como alvo daquela investigação o vice-governador que disse não conhecer o dono da Vineria Adega que revendeu os ventiladores pulmonares superfaturados ao Estado. “Não conhece Fábio José Antunes Passos, proprietário da Vinheria Adega, nunca teve contato com essa pessoa”, relata o vice governador em depoimento.

Amigo do Governador
Apontado como homem de confiança de Wilson Lima e por ser o articulador da compra e venda dos ventiladores pulmonares em outros depoimentos à Polícia Federal, o empresário Gutemberg Alencar foi indicação do próprio governador Wilson Lima, confirmado por Carlos Almeida. “Apresentaram Alencar como sendo um dos coordenadores de campanha, mas não tinha contato com ele”. Em março deste ano, no início da pandemia de Covid-19, o governador colocou Carlos Almeida em contato com Gutemberg já que ele queria ajudar.

Fama de Alencar
Segundo Carlos Almeida, o empresário indicado pelo governador “Tinha má fama no Amazonas já há muitos anos, má fama de ser truculento, arrogante, e por isso queria distância dessa pessoa”. Wilson Lima fez contato com Carlos Almeida informando que Alencar queria ajudar o governo à combater à doença. “Sempre quis manter distância de Alencar”, afirmou o vice-governador em depoimento.

Casa Civil
Durante à pandemia de Covid-19, muitas pessoas apareceram no Governo do Amazonas, tentando ajudar. Carlos Almeida afirmou que como chefe da Casa Civil, sua função era cobrar dos servidores das pastas que realizassem a compra do equipamento e que “sofria pressão inclusive do Ministério Público” e garantiu que “nunca recebeu qualquer vantagem indevida”.

Fonte: D24am.

Leia também