Grupo ataca e incendeia loja do Carrefour

por Naief Queiroz

Um grupo de manifestantes atacou, na noite desta sexta-feira (20), uma loja do Carrefour em São Paulo. O episódio ocorreu após a 17ª Marcha da Consciência Negra, que pediu justiça por João Alberto Silveira Freitas, morto depois de ser espancado por seguranças no estacionamento de uma unidade do Carrefour em Porto Alegre (RS).

O ataque à loja ocorreu no bairro dos Jardins, Zona Sul da capital.

O grupo atacou o Carrefour com paus e pedras e destruiu vidraças. Alguns manifestantes ainda entraram dentro da loja e colocaram fogo em produtos. Funcionários do estabelecimento apagaram o incêndio com extintores e fecharam a unidade ainda com clientes dentro. Ninguém ficou ferido.

Manifestantes atacaram unidade do Carrefour em São Paulo Foto: Ettore Chiereguini/AGIF

De acordo com a Brigada Militar do Rio Grande do Sul, o espancamento começou após um desentendimento entre João Alberto e uma funcionária do Carrefour na noite de quinta-feira (19). A vítima teria ameaçado bater na funcionária, que acionou a segurança da loja.

Os dois suspeitos pelo crime foram presos em flagrante. Um deles é policial militar e foi levado para um presídio militar. O outro trabalhava como segurança do supermercado e está em um prédio da Polícia Civil.

A investigação trata o crime como homicídio qualificado. A Polícia Civil informou que os nomes dos seguranças presos são Magno Braz Borges e Giovane Gaspar da Silva.

Manifestantes atacam loja do Carrefour em São Paulo Foto: Agência O Globo/Fotoarena

O primeiro resultado da necropsia realizada pela perícia indicou que João Alberto Silveira Freitas morreu por asfixia.

Em nota, o Carrefour lamentou o caso e disse que tomou providências para que os responsáveis sejam punidos legalmente.

Leia também