Deputado apresentará indicativo para estender as promoções para as demais classes da Polícia Civil

por Stephane

Na manhã desta quinta-feira (3), o deputado Dermilson Chagas (Podemos) anunciou que irá apresentar um indicativo para que o governo do Amazonas estenda para os agentes, escrivães e peritos criminais, a mesma promoção que deverá concedida aos delegados da Polícia Civil, por meio de uma ordem judicial.

No dia 30 de novembro, a Polícia Civil do Estado, lançou no Diário Oficial do Estado, a Resenha da Portaria de n° 1488/2020-GDG/PC do processo de progressão funcional, na forma da Decisão Judicial do Processo nº 0687842-80.2020.8.04.0001, ajuizada pelo Sindicato dos Delegados de Polícia de Carreira do Amazonas – SINDEPOL/AM. A medida impetrada é para dar andamento ao processo de promoção apenas para os Delegados de Polícia.

Diante do fato e para evitar o desconforto dentro da corporação, o deputado Dermilson apresentará um indicativo ao Governo, acrescentando as demais classes no recebimento das promoções. “Cabe ressaltar que o ano de 2020 foi bastante atípico, onde toda a classe policial trabalhou na linha de frente auxiliando no combate ao covid-19, se expondo ao perigo de infecção diuturnamente. Ao fazer uma progressão somente da classe dos Delegados, o Governo do Estado está sendo desleal e desumano com as demais classes”, disse.

Servidor público

Além disso, Dermilson sugeriu aos deputados, reuniões com os servidores públicos do Estado para discutir sobre a garantia do pagamento do reajuste salarial no Projeto de Lei Orçamentária Anual de 2021 (PLOA). “Pois, não vimos na LOA se terá mesmo a correção salarial dos servidores da saúde pública e nem dos que atuam na Secretaria de Estado da Produção Rural, Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas e Agência de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas”, questionou.

Dermilson afirma que o Governo não pode negar a falta de recursos financeiros para conceder o reajuste.  “Eu acredito que o governador pretende dar apenas em 2022, o ano da reeleição dele. Aí ele vai vir com um reajuste gordo porque o cofre está cheio. Esse é compromisso que o chefe do executivo possui com o servidor público”, lamentou.

Leia também