Internautas usam Pix para paquerar e Banco Central se manifesta

por Naief Queiroz

O Banco Central (BC) alertou usuários do Pix, novo sistema de transferências instantâneas, quanto à divulgação de dados sensíveis nas redes sociais. Isso porque nos últimos dias o Pix tem sido utilizado por alguns internautas para enviar flertes junto de quantias simbólicas a pessoas em quem estão interessados.

A prática viralizou depois que um usuário contou em uma publicação que seu primo havia bloqueado a ex-namorada de todas as redes sociais e ela enviou ao rapaz uma sequência de transferências no valor de R$0,01 via Pix com pedidos para reatar o namoro.

Onda de flerte por Pix começou com tweet sobre ex-namorada bloqueada que enviou transferências de 1 centavo
Onda de flerte por Pix começou com tweet sobre ex-namorada bloqueada que enviou transferências de 1 centavo (Foto: Reprodução/Twitter)

Rapidamente, pessoas interessadas em receber gratificações começaram a divulgar suas chaves Pix, que possibilitam as movimentações bancárias sem a necessidade de compartilhar dados como número de conta e agência.

Em resposta, o BC salientou que o Pix “é um meio de pagamento, não uma rede social” e advertiu os usuários quanto à exposição de dados sensíveis como CPF e número de telefone, duas possibilidades de chave. Uma opção mais segura é a chave aleatória, que gera um código específico para cada usuário.

Apesar de não haver uma previsão de quando será possível bloquear pessoas dentro do Pix, o Banco Central lembrou que os aplicativos bancários oferecem a possibilidade de não receber notificações de novos pagamentos via Pix.

Leia também