Povo morrendo por falta de oxigênio e chegou a hora dos deputados pedirem o impeachment de Wilson Lima

por Naief Queiroz

A Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM) precisa dar uma resposta para a população e apreciar o pedido de impeachment do governador do Amazonas, Wilson Lima. Os amazonenses não aguentam mais tanta corrupção, tanta morte por descaso do Poder Público que não sabe administrar os problemas do estado. Apenas em quatro dias, de 18 a 21 de janeiro, foram mais de 10 mil casos confirmados de Covid-19 e 466 mortes pela doença. Ao todo o estado possuí 241.182 mil infectados e o registro de 6.757 mil mortes.

Impeachment

Os parlamentares da ALE precisam ouvir o clamor popular e dar o ponta pé inicial no processo de impeachment do governador Wilson Lima. Os deputados estaduais que fazem parte da Mesa Diretora, o presidente Josué Neto, 1° vice-presidente Alessandra Campelo, 2° vice-presidente Dra. Mayara, 3° vice-presidente Roberto Cidade, Delegado Péricles, Cabo Maciel, Fausto Júnior, Felipe Souza e Abdala Fraxe, precisam votar na próxima terça-feira (26) o fim do recesso parlamentar e aceitar o pedido de impeachment do governador.

Falta de oxigênio

O mundo inteiro presenciou o caos que está a saúde pública do Amazonas. Nos primeiros dias de janeiro, dezenas de pessoas morreram por falta de oxigênio nas unidades de saúde. Segundo denúncia que está sendo investigada pela Procuradoria Geral da República (PGR), o governo do Amazonas sabia desde novembro que o estoque de oxigênio seria insuficiente para atender a demanda atual. A investigação será anexada ao inquérito que apura o contrato de aluguel milionário do Hospital Nilton Lins pelo governo.

2ª onda de Covid-19

Desde agosto do ano passado, o pesquisador da Fiocruz Jesem Orellana, divulgou diversos alertas da grave ameaça de uma segunda onda do novo coronavírus. Os avisos foram ignorados e a possibilidade de uma segunda onda era sempre refutada pelo governo. De acordo com o epidemiologista, o número de casos é três vezes maior, em torno de 150 mil novas infecções nesse período e os dados de mortalidade são subnotificado. “(Isso) Mostra o tamanho da tragédia sanitária que assola Manaus pela segunda vez seguida (…) O mais triste destas estatísticas é que pelo menos metade dessas mortes poderiam ter sido evitadas, caso os conselhos dados e publicados em revistas científicas de grande tradição internacional e na imprensa, tivessem sido levados a sério e não alvo de desprezo”, disse.

CPI da Saúde

Os parlamentares que estiveram frente à CPI da Saúde (menos o Dr. Gomes), desempenharam um excelente papel de investigação e fiscalização dos contratos realizados pelo governo do Amazonas na saúde pública. No encerramento dos 120 dias de trabalho foi entregue aos órgãos de controle, um relatório que apontou o indiciamento de 50 pessoas entre secretários da saúde e empresários. Mas, como sempre o governo do Amazonas ignorou e contratou três empresas investigadas na CPI para prestar serviço, novamente na reabertura do Hospital Nilton Lins, unidade de campanha.

Depende de vocês

Na próxima terça-feira (26), a ALE promove reunião extraordinária para a análise de projetos voltados à saúde e também, a votação do fim do recesso parlamentar. Vale lembrar, o nome dos deputados faltosos na última sessão: Adjuto Afonso, Alessandra Campêlo, Cabo Maciel, Abdala Fraxe, Felipe Souza, Berlamino Lins, Carlinhos Bessa, Dr. Gomes, Joana Darc, Nejmi Aziz, Ricardo Nicolau, João Luiz e Therezinha Ruiz.

Fonte: D24am.

Leia também