Mesmo após decisão de Fachin, Lula é réu em mais 4 processos

por Naief Queiroz

Apesar de a decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), ter anulado as condenações de Lula nos processos da Lava Jato, o ex-presidente é ainda réu em outras quatro ações fora de Curitiba que ameaçam seus direitos políticos. Na Justiça Federal de Brasília tramitam três processos, e na Justiça de São Paulo mais um, em acusações que incluem corrupção, lavagem de dinheiro e tráfico de influência.

No Distrito Federal, Lula é acusado de receber propinas da Odebrecht, com os ex-ministros Antônio Palocci e Paulo Bernardo; investigado junto de seu filho, Luís Cláudio, acerca da compra de caças suecos Gripen pela Força Aérea Brasileira (FAB); e suspeito de receber indevidamente seis milhões de reais em propina para prorrogar incentivos fiscais a fábricas do setor automotivo. Em São Paulo, tramita ainda uma outra ação por suposta interferência do ex-mandatário nas negociações da empresa brasileira ARG, na Guiné Equatorial, que teria repassado doações ao Instituto Lula.

Contudo, não há perspectivas de sentenças nos quatro casos em curto prazo e, por isso, é improvável que eles retirem os direitos políticos de Lula até as eleições de 2022.

Entre as condenações anuladas pelo ministro Edson Fachin nesta segunda-feira (8), está o processo do tríplex do Guarujá, que enquadrou o ex-presidente na Lei da Ficha Limpa em 2018 após o julgamento em segunda instância. Há também casos envolvendo o Instituto Lula e o sítio de Atibaia. Com a decisão do magistrado, todos os processos recomeçarão do zero.

Leia também