Mulher da à luz seis meses após noivo morrer de Covid no Amazonas

por Naief Queiroz

O filho da parintinense Nayla Victória, 20 anos, e de Lúcio Kimura, que faleceu há seis meses, vítima da Covid-19, nasceu na tarde da última quinta-feira (27), no hospital Padre Colombo, de parto cesareana.

Mulher da à luz seis meses após noivo morrer de Covid no Amazonas. (Foto: Reprodução)

Nayla anunciou nas redes sociais na terça-feira (27), que estava grávida de 37 semanas e que seu filho nasceria exatamente seis meses após a morte do pai do bebê, na cidade de Parintins, a cerca de 370 km de Manaus (AM), o médico veterinário Lúcio Kimura, com quem se relacionou por dois anos.

“Há 6 meses Lúcio partiu. Há uma hora descobri que estou em uma gravidez avançada e precisando me internar com urgência. Assim farei, à vontade de Deus, mas com certeza, por muita vontade do Lúcio”, comentou.

O companheiro de Nayla morreu no dia 27 de outubro de 2020, com complicações da Covid-19 após passar 15 dias internado em Manaus. Sem imaginar que já esperava um filho de seu ex-noivo, Nayla viveu sua vida normalmente.

“Eu menstruei até o mês passado. Eu não tinha barriga e nenhum outro sintoma de gravidez. Na semana passada comecei a me sentir inchada e surgiram algumas estrias na minha barriga, o que não é comum”. lembra.

De acordo com a UOL, no dia 25 de abril, dois dias antes do parto, Nayla conta que começou a sentir dores nas costas e na região pélvica, o que acendeu o sinal de alerta. Mas um teste de farmácia descartou a possibilidade de gravidez.

“Fui ao ginecologista no dia 27 e, como ele viu que eu não tinha nenhum sintoma de gravidez, pediu um exame transvaginal. Me preparei para o exame e, quando meu médico apalpou minha barriga ele já achou estranho”, conta.

Desconfiado, o médico de Nayla trocou o transvaginal pelo exame de ultrassom que, para a surpresa de todos, revelou um bebê praticamente pronto para nascer.

“O corpo do bebê já estava completamente formado. A cabeça já estava para baixo, na posição certa para o nascimento. Por último ele foi ver o líquido amniótico, que já estava praticamente zerado. Então ele falou que eu precisava ser internada imediatamente, caso contrário o bebê não resistiria. Então foram duas notícias: uma que eu estava grávida e a outra que o bebê já estava nascendo”, relembra.

Da surpresa à alegria Passado o susto inicial, Nayla conta que a surpresa deu lugar à alegria. “A primeira reação foi de surpresa. Não há outro sentimento que possa definir. Depois que eu compreendi tudo o que estava acontecendo, fiquei muito feliz. O dia 27 tinha se tornado um muito ruim para mim e para a família do Lúcio”, declarou.

O bebê, que apesar de não ter tipo acompanhamento pré-natal, nasceu em perfeitas condições de saúde, foi batizado como Lúcio Bernardo Kimura, em homenagem ao pai que não conheceu. Sem barriga Sobre o fato de ter passado a gravidez inteira sem a característica barriga de gestante, Nayla conta que sequer teve tempo de questionar.

“Isso é uma coisa que eu ainda irei conversar com o meu ginecologista. Na hora foi tudo tão rápido, era uma gravidez de urgência e eu não tive tempo de questionar. Mas já vi vários casos assim na internet. Mas, para mim, o fato de não ter barriga e continuar sem sintomas é coisa de Deus”, conclui.

Mais coincidências De acordo com Nayla, a história do nascimento de seu ex-noivo seguiu o mesmo roteiro. Há 36 anos a mãe do Lúcio se casou, engravidou e o pai dele faleceu por problemas de saúde sem a minha sogra saber que estava grávida.

“Assim como eu, ela também descobriu que estava grávida na hora do parto, e deu ao filho o nome de Lúcio, que era o nome do seu falecido marido”, revela.

“Sempre disse que muito sobre mim, é sobre ele. Agora uma parte dele, será minha. O maior sonho do Lúcio em nossa relação, estarei realizando por nós”, finalizou Nayla.

Fonte: D24am.

Leia também